16_colorblock_site.jpg
16_colorblock_site.jpg

Casos


ESTUDOS DE CASO

Estamos comparando os dois estudos de caso de Heliópolis e Jardim São Francisco, comunidades que foram reurbanizadas pelas mesmas quatro estratégias desde os anos 80.

SCROLL DOWN

Casos


ESTUDOS DE CASO

Estamos comparando os dois estudos de caso de Heliópolis e Jardim São Francisco, comunidades que foram reurbanizadas pelas mesmas quatro estratégias desde os anos 80.

Heliópolis. Foto por Gil UNAS.

Heliópolis. Foto por Gil UNAS.

SP MAP-P


São aproximadamente 60,000 unidades de habitação em Heliópolis e 40,000 no Jardim São Francisco.     

SCROLL DOWN

SP MAP-P


São aproximadamente 60,000 unidades de habitação em Heliópolis e 40,000 no Jardim São Francisco.     

 

São Paulo, BraSil

 

Esse mapa aponta a localização de favelas, reurbanização e os nossos estudos de caso.

 

Development Types_P


Estamos analisando os impactos sociais e físicos de quatro tipos de projetos de urbanização usando um questionário em 1,100 casas em Heliópolis e São Francisco.

 

Essas comunidades têm uma história de desenvolvimento em comum, mas com caraterísticas morfológicas e demográficas distintas.  

SCROLL DOWN

Development Types_P


Estamos analisando os impactos sociais e físicos de quatro tipos de projetos de urbanização usando um questionário em 1,100 casas em Heliópolis e São Francisco.

 

Essas comunidades têm uma história de desenvolvimento em comum, mas com caraterísticas morfológicas e demográficas distintas.  

COMUNIDADE DE SÃO FRANCISCO

 

sao francisco-P


Dentro dessa trajetória em comum, há quatro tipologias de projeto lançadas pelo governo municipal: (1) Autoconstrução; (2) Mutirão; (3) Cingapura; e (4) Urbanização de Favelas.

SCROLL DOWN

sao francisco-P


Dentro dessa trajetória em comum, há quatro tipologias de projeto lançadas pelo governo municipal: (1) Autoconstrução; (2) Mutirão; (3) Cingapura; e (4) Urbanização de Favelas.

 

 

COMUNIDADEs DE HELIóPOLIS E SÃO FRANCISCO

Development Types-P


Enquanto sabemos muito sobre cada política de habitação individualmente, há poucas informações sobre a relação entre essas políticas em comunidades específicas.

SCROLL DOWN

Development Types-P


Enquanto sabemos muito sobre cada política de habitação individualmente, há poucas informações sobre a relação entre essas políticas em comunidades específicas.

Autoconstrução em São Francisco.

Autoconstrução em São Francisco.

Mutirão em São Francisco.

Mutirão em São Francisco.

 

autoconstrução e mutirão

Assim como em muitos países da América Latina, a partir de meados da década de 1970, o Brasil adotou políticas de segunda geração que incentivavam a produção de habitação a cargo da própria população – seja diretamente, através de políticas de mutirão, ou indiretamente, ao não fornecer habitações de interesse social. Esse processo resultou em dois tipos de assentamentos informais, loteamentos e favelas – a hibridação das soluções construtivas pode ser observada na imagem à esquerda.

Mutirão ou “auto-construção assistida” implicou em políticas que forneciam aos indivíduos, grupos organizados e associações comunitárias um lote e, ora materiais de construção, ora “meia casa” ou “núcleo”, a partir dos quais os moradores desenvolviam suas casas. Entre 1975 e 1992, aproximadamente 220,000 casa foram construídas através da política de mutirão. Estamos analisando a evolução física das casas de acordo com a experiência social através de modelos digitais dos lotes e quadras.

 

Cingapura em São Francisco.

Cingapura em São Francisco.

Urbanização de Favelas em Heliópolis

Urbanização de Favelas em Heliópolis

 

HABITAçAO MULTIFAMILAR

 

A interrupção de políticas habitacionais, que ocasionou o aumento da produção de residências por auto-construção, levou a iniciativas de adensamento em assentamentos existentes. Ainda que essas iniciativas atendessem à demanda por moradia e, teoricamente, mantivessem certa coesão social, a elevação do valor das terras urbanas levaria, invariavelmente, a remoções e desapropriações. Indiscutivelmente, são essas as questões mais críticas dos processos de desenvolvimento urbano, e que portanto atraíram maior atenção do nosso estudo, através do acompanhamento de como essas famílias removidas se estabeleceram nos últimos vinte e cinco anos.